Foto

Quando a namorada lhe pedir para tirar uma foto, veja lá se coloca uma "venda"...

Arte censurada...

Esta mulher foi censurada e retirada do Facebook, 
por ter divulgado esta SUA foto. Quando parará esta prepotência?

Corda Bamba

Lançamento público - próximo sábado, dia 30 de Junho de 2012, na Fábrica Braço de Prata, pelas 20 horas, em Lisboa. Uma colectânea de 91 textos, 91 autores, oriundos de Portugal, Brasil e Argentina.

Antologia do amor...



Esperava-te sentado na cama.
Depois de tanto tempo, o nosso encontro ia-se, enfim, realizar.
Ansioso, esperava que acabasses o banho que tinhas ido tomar...
Como numa nuvem inesperada, teu corpo surge à minha frente enrolado num robe de veludo azul.
Levanto-me, e recebes-me com um largo sorriso.
Nossos olhares, ternos, doces, acariciam nossos corpos, e desvendam desejos e segredos que desde há muito tempo queríamos revelar e satisfazer.
Aproximo-me, e enlaço teu corpo ainda húmido, pintalgado por uma ou outra gotícula da água do banho, e beijo suavemente o rosado de teus lábios.
Quando, de tua parte, sinto neles uma maior pressão, afasto-me.
Não quero pressas...
O desejo, por mais forte que seja, deve manter-se à distância ideal para encontrar a sua doçura mais apurada, encontrar ritmo próprio, ideal, e tornar sua seiva mais forte ainda. Mais uma vez te afasto levemente, e como magia, teu robe, lentamente, vai caindo no chão.
Aprecio, pela primeira vez, os teus lindos seios, redondos, nem grandes nem pequenos, que afago lentamente com a palma das minhas mãos. Os seus bicos rosados, túmidos, quase lacrimejando, despertam vontade de os esmagar, esfregar, apertar…

Mas não…
Afago-os levemente com a ponta dos dedos, e curvando-me um pouco, toco-lhes levemente com a língua e os lábios, que humedecidos e quentes, se deixam beijar e chupar. Sinto teu corpo quente a entregar-se, a estremecer...
Com as tuas mãos finas, tentas levantar-me a cabeça para me beijar.
Resisto a essa pressão e doce tentação, que já não era só tua mas também minha, e continuo fazendo círculos com a língua, chupando levemente os mamilos, que mais me parecem dois frescos morangos amadurecidos.
E eles, gratamente, retribuem, ficando ainda mais duros, hirtos, eriçados…
Não suportando mais.
E como por artes mágicas, caio de joelhos a teus pés, e os meus lábios percorrem a tua cintura estreita, o teu umbigo, o teu ventre ovalado, as tuas coxas, as tuas virilhas…
E lentamente, pressiono para que afastes as pernas, e me deixes apreciar o teu favo de mel e os teus pêlos sedosos e alourados…
Páro!...
Páro e penetro no teu doce olhar, como que a pedir autorização para os beijar, acariciar, penetrar…
Mas tu, com ambas a mãos, agarras-me na cabeça e puxas-me levemente para cima, beijando-me sôfregadamente.

Agora sim.
O beijo é mais demorado, mais profundo, mais elaborado, quase arrebatador. Tua língua é doce, esguia, e gosto de a prender na minha boca, de a sentir, e de saborear a sua frescura…
Abraçados, ambos rolando um pouco às cegas, aproximamo-nos da cama.
Deito-te levemente de costas, e continuo cobrindo teu corpo de carinhos, de beijos.
Tu não resistes, e não te limitas a uma participação passiva, no cumprimento de um desejo que já vinha amadurecendo faz tempo, dum tesão que, crescendo, estava já ao rubro. E o teu corpo, cada vez mais faminto, ardendo, desejoso, pronto a ser penetrado, possuído.
A quarentena a que ambos estávamos votados – fruto de uma abstinência quase forçada -, tinha feito de nós dois animais amantes, sequiosos, devoradores, carentes de nos entregar aos prazeres da carne um do outro.

Tomas o comando.
Beijas-me nos olhos, na nuca, na boca, no peito, e vais descendo devagarinho, lentamente, como que a castigar-me, descobrindo sensações e prazeres, até que poisas teus lábios humedecidos na glândula rosada de meu sexo.
Com arte, com galante e elevada perícia, beijas e saboreias docemente, quase que ficas parada, com a língua humedecendo-a, refrescando-a, retardando o clímax inevitável.
O prazer sobe-me pelo corpo e estremeço.
E tu não páras…
Com a língua e os lábios rodopias, abraças o “menino” que massajas com a boca e as mãos, que ameaça lançar fora, o gozo que acumulou durante tanto tempo.
Esforço-me para que tal não aconteça.
Vendo minha excitação, com o propósito de retardarmos a entrega que ambos queríamos, sobes para cima de mim, encavalitas-te tal amadora endiabrada, e com cuidado extremo, cuidado demasiado exagerado e lento para o meu estado de excitação, vais encaixando minha “coisa” na tua “coisa”.
Uma “coisa” ainda apertada, e pelo que sinto quente e húmida, o que denota estares pronta para outras “aventuras e maior actividade. Penetro-te, penetramo-nos os dois revezando, primeiro devagar e depois mais rápido, tentando acertar no ritmo.

O ambiente do quarto ajuda ao relaxamento e à entrega mútua.
Tinhas tido o cuidado e o bom gosto de preparar o cenário, colocando um lenço vermelho nos candeeiros, o que dava uma côr mais excitante aos nossos corpos, umas velas de aromas da natureza excitavam ainda mais, tudo abraçado a uma melodiosa música ambiente.

Nossos corpos identificam-se um com o outro, falam a mesma língua, e comportam-se como se se conhecessem desde o paraíso de Adão. A luz do luar que ilumina o horizonte da campina penetra por entre as cortinas, embeleza ainda mais a tua pele morena, macia, doce, acetinada, e acelera ainda mais a excitação e o desejo de me desfazer num gozo retraído.
Tu cavalitas por cima de mim, beijas-me, suspiras, respiras forte, pronuncias uns “ais” roucos, meio sumidos e prolongados… e eu, forçando mais um pouco o ritmo e a profundidade, aperto teu rabo com as duas mãos, beijo teu rosto suado, e….

Uns suspiros profundos… assinalam o prazer que acabamos de partilhar.

Afonso Rocha
Num sítio qualquer, nas profundezas do Mundo 

Lágrimas do meu choro..



Lágrimas que molham,
que retalham o meu rosto.
Lágrimas que escorrem,
que retratam o meu desgosto.
Marcas de saudade,
da saudade e de meu choro...

Um rosto sadio,
de alegre e aberto sorriso,
lágrimas rebeldes caídas,
de saudade ou lamentos,
sinais de angústia,
de alegrias ou sofrimentos.

Afonso Rocha

Delicadeza

"O amor é passagem possível para um estágio de súbita delicadeza, desejos que se conjugam, verbo derramado com a generosidade do alimento farto.
Então, em caso de amor, não corrijam meus possíveis erros com exaltada fala ou com interpretações duras. Antes, reconheçam que aquilo que se vive por amor será, no fim de tudo, a única força capaz de reverter o imponderável encontro com o vazio, iluminando os dias passados com pequenos insights de felicidade."

Célia Musilli, "Súbita Delicadeza", In Todas as Mulheres em Mim)

Homens e Mulheres...

Muito já se falou sobre a mulher madura, mulher de 40, idade da Loba...
Que tal, agora, falarmos um pouco sobre esses Homens maravilhosos que hoje estão na faixa dos 40/50/60 anos de idade?
Há uma indisfarçável e sedutora beleza na personalidade de muitos Homens que estão na idade madura.
É claro que a toda regra tem suas excepções, e cada idade tem o seu próprio valor.
Porém, com toda a consideração e respeito às demais idades, destacaremos aqui uma classe de homens que são companhias agradabilíssimas:
Os que são quarentões, cinquentões e sessentões.
Percebe-se com uma certa facilidade, a sensibilidade dos seus corações e a devoção que têm pelo que há de mais belo: o sentimentalismo.
Eles são mais inteligentes, vividos, charmosos, eloquentes.
Sabem do que falam, e sabem falar na hora certa.
São cativantes, sabem fazer-se presentes sem incomodar e sabem conquistar uma boa amizade.
Em termos de relacionamentos, trocam a quantidade pela qualidade, visão aguçada sobre os valores da vida e sabem tratar uma mulher com respeito e carinho.
São homens especiais, românticos, interessantes e atraentes, pelo que possuem na sua forma de ser, de pensar, e de viver.
Na forma de encarar a vida, são mais poéticos, mais sentimentais, mais emocionais e mais emocionantes.
Os homens mais amadurecidos têm maior desenvoltura no trato com as mulheres, sabem reconhecer suas qualidades, são mais espirituosos, discretos, compreensivos e mais educados.
A razão pela qual muitos homens maduros possuem estas qualidades maravilhosas deve-se a vários factores: a opção de ser e de viver de cada um, suas personalidades, formação própria e familiar, suas raízes, sabedoria, gostos individuais, etc...
Mas eu creio que em parte, há uma boa parcela de influência nos modos de viver de uma época, filmes e músicas ouvidas e curtidas deixaram boas recordações de sua juventude, um tempo não tão remoto, mas que com certeza, não volta mais.
Viveram uma mocidade (época que marca a vida de todos nós) num dos melhores períodos do nosso tempo: os anos 60, considerados a década de ouro da juventude, quando o romantismo foi vivido e cantado em verso e prosa.
A saudável influência de uma época, provocada por tantos acontecimentos importantes, que hoje permanecem na memória, e que mudaram a vida de muitos.
Uma época em que o melhor da festa era dançar coladinho e namorar ao ritmo suave das baladas românticas.
O luar era inspirador, os domingos de sol eram só alegrias.
Ouviam Beatles, Johnny Mathis, Roberto Carlos, António Marcos, The Fevers, Golden Boys, Bossa Nova, Morris Albert, Jovem guarda e muitos outros que embalaram as suas Jovens tardes de domingo (quantas alegrias!) Velhos tempos, belos dias...
Foram, e ainda são, os homens que mais souberam namorar:
Namoro no portão, aperto na mão, abraços apertadinhos, com respeito e com carinho, olhos nos olhos tinham mais valor...
A moda era amar ou sofrer de amor.
Muitos viveram de amor..
Outros morreram de amor...
Estes homens maduros de hoje, nunca foram homens de “ficar”. Ou estavam namorando firme, ou estavam na “fossa”, ou estavam sozinhos.
A juventude passou, mas deixou “gravada” neles, a forma mais sublime e romântica de viver.
Hoje eles possuem uma “bagagem” de conhecimentos, experiências, maturidade e inteligência, que foram acumulando com o passar dos anos.
O tempo se encarregou de distingui-los dos demais: deixando os seus cabelos cor-de-prata, os movimentos mais suaves, a voz pausada, porém mais sonora, hoje eles são os Homens que marcaram uma época.
Muitos deles hoje “dominam” com habilidade e destreza essas máquinas virtuais, comprovando que nem o avanço de tecnologia lhes esfriou os sentimentos, pois ainda se encantam com versos, rimas, músicas e palavras de amor, nem lhes diminuiu a grande capacidade de amor, sentir e expressar os seus sentimentos.
Muitos tornaram-se poetas, outros amam a poesia.
Porque o mais importante não é a idade denunciada pelos detalhes das suas fisionomias e sim os raros valores de suas personalidades, o importante é perceber que os seus corações permanecem jovens...
São Homens maduros, e que nós mulheres de hoje, temos o privilégio de poder admirá-los.
(autoria desconhecida)


Corda Bamba

Corda Bamba - colectânea de 90 autores, com 90 novas estórias, a publicar no próximo mês de Junho, numa edição de "Pastelaria Estúdios"

Censura no Facebook


Foto censurada no Face.
Esta foto acompanhava este meu poema, no dia mundial de poesia (21 de março de 2012)
Poema:

Mostra-me...

Quero ver-te como mulher,

como amante,

como meretriz,

como sumo da minha videira...

Quero ter-te como vieste ao mundo,

como pecadora,

como apaixonada,

como mulher ardente...

Quero saciar tua sede,

tua fome,

teu desejo,

tua ânsia de amar e ser amada...

Quero dar-te o prazer,

o prazer que te faltou,

que te inibe o crescimento,

e de seres mulher outra vez...

Quero que sejas minha,

minha em pensamento, em ilusão virtual,

mas minha na mesma,

e que te entregues,

me dês,

a seiva do teu amor...

Vem comigo,

vem comigo e entrega-me essa prova,

a prova de que gozaste,

que gozamos os dois,

em simultâneo,

em profundidade e harmonia no prazer...

Quero conhecer teu corpo nos pormenores,

dos cabelos aos pés.

do rosto aos seios,

do ventre à vagina,

da nuca ao rabo,

pois é em tudo isso que nas minhas noites de solidão,

te quero adorar e beijar...

Mostra-me MULHER,

como és,

como queres ser.......

Teu

Af.

Natal de arromba...



Natal bem gostoso, passado na companhia de belas caras e de melhores corpos, onde nem o frio entrou e o calor "derreteu"...



17 de Novembro

Dia em que muitos acontecimentos ocorreram, entre eles, o nascimento deste vosso amigo. Para saber mais, vejam o vídeo aqui.

Direitos das Mulheres

Um grupo de mulheres despiram-se na Praça de S. Pedro, em defesa dos seus direitos, tendo sido escorraçadas à pancada pela polícia.














Pinturas

Nos meus tempos livres, passei a dedicar-me á pintura...

De que raça é o cão?

Alguém me saberá dizer de que raça é o cão com estes olhinhos trocados e de cor diferentes? Bem que tento ver bem, mas não consigo...


Pensamentos

Em momentos de recordação, divulgando "Pensamentos"... video

Mulher pelada não entra na igreja...

Padre de Maceió - Nordeste do Brasil, recusa fazer casamento a noiva que não levava calcinha e tinha rapado os pelinhos das partes intímas. O padre, em vez de olhar para o "cristo" olhou para as partes púbicas da noita, e aí está o resultado...

Lágrimas de meu choro

Lágrimas que molham,
que retalham o meu rosto.
Lágrimas que escorrem,
que retratam o meu desgosto.
Marcas de saudade,
da saudade e de meu choro...

Um rosto sadio,
de alegre e aberto sorriso,
lágrimas rebeldes caídas,
de saudade ou lamentos,
sinais de angústia,
de alegrias ou sofrimentos.

Por: Afonso Rocha

Vida activa...

Amigos, e sobretudo amigas: se vosso companheiro, marido, namorado ou até amante vos abandonarem porque a relação deixou de ter o seu "interesse", vejam por este vídeo, o que podem fazer para melhorar a relação...



video

MULHER...


Tu que confortas, proteges, defendes…
Só podes ser Mulher!

Tu que cativas, consolas, dás vida…
Só podes ser Mulher!

Tu que acarinhas, dás prazer, amas…
Só podes ser Mulher!

Tu que trabalhas, estudas, lutas…
Só podes ser Mulher!

Só podes ser Mulher…
sendo amante, companheira e cúmplice;
sendo ombro do meu ombro;
sendo senhora do meu sentir,
sendo voz dos meus desejos,
sendo foco dos meus sonhos,

Mulher - mulher…
Mulher - mãe!

Af.
2011/Março

Hoje...

Hoje apetece-me,
eroticamente,
abrir-me contigo,
sonhar contigo,
fazer amor,
contigo...
Af.